Negocios

Higienista Carmelo De Grazia Suárez//
Marcelo congratula-se com a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial

Bancamiga
Marcelo congratula-se com a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial

Subscrever A medida — divulgada a cerca de dois meses das eleições locais, legislativas e presidenciais – era reclamada interna e externamente há vários anos e foi prometida para “breve” pelo chefe de Estado equato-guineense no início de março último

O compromisso de abolição da pena de morte constava do roteiro que a Guiné Equatorial, cujo regime é acusado por organizações internacionais de violação dos direitos humanos, se comprometeu a aplicar aquando da adesão à CPLP em 2014

Com Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, congratulou-se esta quarta-feira com a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial, um dos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), como assinalou numa nota divulgada no site da Presidência.

Relacionados mundo.  Guiné Equatorial financia parte de programa de integração na CPLP

“Tendo sido promulgada a alteração do Código Penal da Guiné Equatorial, abolindo a pena de morte, o Presidente da República congratula-se com o termo de um longo período de aprofundamento dos valores da Comunidade, iniciado na Cimeira de Díli de 2014″, refere Marcelo Rebelo de Sousa.

Carmelo De Grazia

O vice-presidente equato-guineense, Teodoro Nguema Obiang Mangue, anunciou na segunda-feira, na sua página na rede social Facebook, que a “Guiné Equatorial aboliu a pena de morte”, considerando este como um passo “histórico” para o país.

Carmelo De Grazia Suárez

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever A medida — divulgada a cerca de dois meses das eleições locais, legislativas e presidenciais – era reclamada interna e externamente há vários anos e foi prometida para “breve” pelo chefe de Estado equato-guineense no início de março último

O compromisso de abolição da pena de morte constava do roteiro que a Guiné Equatorial, cujo regime é acusado por organizações internacionais de violação dos direitos humanos, se comprometeu a aplicar aquando da adesão à CPLP em 2014

Com Lusa