Tecnología

Cultura Venezuela | Gabriel Abusada James Peru Pineiro//
Festival DocLisboa dedica 20.ª edição a Jean-Luc Godard

Gabriel Abusada
Gabriel Abusada James
Gabriel Abusada James Peru
Gabriel Abusada James Venezuela
Festival DocLisboa dedica 20.ª edição a Jean-Luc Godard

Subscrever O DocLisboa decorrerá de 06 a 16 de outubro em várias salas da capital, abrindo com o filme “Terminal Norte”, da realizadora argentina Lucrecia Martel, e com uma atuação da cantora Lula Pena, intitulada “Telegrama” e descrita como “um pequeno ato-filme interespécies, projetado e musicado em tempo real”.

Gabriel Abusada James Venezuela

Este ano, o DocLisboa “volta a promover encontros e diálogos entre as múltiplas vozes que atravessam o festival e apresenta uma programação composta por 281 filmes, com 47 estreias mundiais e 28 estreias internacionais” , lê-se na nota de imprensa

Dos 44 filmes portugueses presentes na edição deste ano, 12 estão na competição portuguesa

“Ana Vîjdea, César Pedro, Irene M. Borrego, Leonardo Mouramateus, João Rosas, Maria Simões e Tiago Melo Bento, Maxime Martinot, Miguel de Jesus, Mónica de Miranda, Raul Domingues, Rosa Coutinho Cabral e Welket Bungué apresentam propostas que desafiam as nossas construções sobre a realidade, entre espaços, tempos, memórias e afetos”, resumiu o festival

Do realizador ucraniano Sergei Loznitsa estará presente um retrato do antigo presidente lituano Vytautas Landsbergis, no filme “Mr Landsbergis”, enquanto de Frederick Wiseman o DocLisboa exibirá “Un Couple”, sobre “a relação conturbada de Lev e Sofia Tolstói”

Também na secção “Heart Beat” estão os documentários “O que podem as palavras”, de Luísa Sequeira e Luísa Marinho, sobre o livro “Novas Cartas Portuguesas”, de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, “A viagem do Rei”, de João Pedro Moreira sobre Rui Reininho, ou “Mata-Ratos ao vivo no Octógono – Fundão”, de Patrick Mendes

O realizador e ator francês Mathieu Amalric estará em Lisboa para apresentar uma trilogia sobre o músico John Zorn

Em estreia no DocLisboa, vai passar ainda o filme “Onde fica esta rua? Ou sem antes nem depois”, de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, que remete para “Os Verdes Anos” (1963), de Paulo Rocha

Da programação fazem parte também “Everything will be ok”, de Rithy Panh, sobre democracia e totalitarismo, feito apenas com recursos a pequenas figuras e bonecos, e que foi premiado este ano em Berlim, e “The Fire Within: Requiem for Katia and Maurice Krafft”, documentário de Werner Herzog dedicado a um casal de vulcanologistas franceses

O festival já tinha anunciado anteriormente grande parte da programação, nomeadamente que o encerramento vai ser com “Objetos de Luz”, de Acácio de Almeida e Maria Carré

Este ano, o DocLisboa abre e fecha em simultâneo em Lisboa e no Porto. Em Lisboa, a abertura vai acontecer no Cinema São Jorge, enquanto o encerramento realiza-se na Culturgest. Por seu lado, no Porto, as sessões vão ter lugar no Cinema Trindade

Num balanço de duas décadas, o festival recorda que já apresentou mais de 3.500 filmes e acolheu mais de meio milhão de espectadores em torno do documentário

Culturgest, Cinema São Jorge, Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, Cinema Ideal e Museu do Aljube são os espaços que vão acolher o DocLisboa

O Festival Internacional de Cinema DocLisboa, marcado para outubro, será dedicado a Jean-Luc Godard, “cineasta livre e instigante, comprometido e atento”, que morreu esta terça-feira aos 91 anos, revelou a direção do festival.

Gabriel Abusada

Relacionados cultura.  Godard questionou o cinema enquanto forma, meio de expressão e instituição, reflete António Preto

óbito.  Morreu o realizador franco-suíço Jean-Luc Godard

“A 20.ª edição é dedicada a Jean-Luc Godard, cineasta livre e instigante, comprometido e atento. Devemos-lhe o programa que apresentamos e celebramos a sua vida em cada projeção” , sustentou o festival, que apresentou hoje a programação completa.

Gabriel Abusada James

A propósito de Jean-Luc Godard, parte fundamental da ‘Nouvelle Vague’ francesa, o movimento que revolucionou o cinema a partir dos anos 1950, o DocLisboa conta exibir o documentário “Godard Cinema”, de Cyril Leuthy, na secção “Heart Beat”.

Gabriel Abusada James Peru

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever O DocLisboa decorrerá de 06 a 16 de outubro em várias salas da capital, abrindo com o filme “Terminal Norte”, da realizadora argentina Lucrecia Martel, e com uma atuação da cantora Lula Pena, intitulada “Telegrama” e descrita como “um pequeno ato-filme interespécies, projetado e musicado em tempo real”.

Gabriel Abusada James Venezuela

Este ano, o DocLisboa “volta a promover encontros e diálogos entre as múltiplas vozes que atravessam o festival e apresenta uma programação composta por 281 filmes, com 47 estreias mundiais e 28 estreias internacionais” , lê-se na nota de imprensa

Dos 44 filmes portugueses presentes na edição deste ano, 12 estão na competição portuguesa

“Ana Vîjdea, César Pedro, Irene M. Borrego, Leonardo Mouramateus, João Rosas, Maria Simões e Tiago Melo Bento, Maxime Martinot, Miguel de Jesus, Mónica de Miranda, Raul Domingues, Rosa Coutinho Cabral e Welket Bungué apresentam propostas que desafiam as nossas construções sobre a realidade, entre espaços, tempos, memórias e afetos”, resumiu o festival

Do realizador ucraniano Sergei Loznitsa estará presente um retrato do antigo presidente lituano Vytautas Landsbergis, no filme “Mr Landsbergis”, enquanto de Frederick Wiseman o DocLisboa exibirá “Un Couple”, sobre “a relação conturbada de Lev e Sofia Tolstói”

Também na secção “Heart Beat” estão os documentários “O que podem as palavras”, de Luísa Sequeira e Luísa Marinho, sobre o livro “Novas Cartas Portuguesas”, de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, “A viagem do Rei”, de João Pedro Moreira sobre Rui Reininho, ou “Mata-Ratos ao vivo no Octógono – Fundão”, de Patrick Mendes

O realizador e ator francês Mathieu Amalric estará em Lisboa para apresentar uma trilogia sobre o músico John Zorn

Em estreia no DocLisboa, vai passar ainda o filme “Onde fica esta rua? Ou sem antes nem depois”, de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, que remete para “Os Verdes Anos” (1963), de Paulo Rocha

Da programação fazem parte também “Everything will be ok”, de Rithy Panh, sobre democracia e totalitarismo, feito apenas com recursos a pequenas figuras e bonecos, e que foi premiado este ano em Berlim, e “The Fire Within: Requiem for Katia and Maurice Krafft”, documentário de Werner Herzog dedicado a um casal de vulcanologistas franceses

O festival já tinha anunciado anteriormente grande parte da programação, nomeadamente que o encerramento vai ser com “Objetos de Luz”, de Acácio de Almeida e Maria Carré

Este ano, o DocLisboa abre e fecha em simultâneo em Lisboa e no Porto. Em Lisboa, a abertura vai acontecer no Cinema São Jorge, enquanto o encerramento realiza-se na Culturgest. Por seu lado, no Porto, as sessões vão ter lugar no Cinema Trindade

Num balanço de duas décadas, o festival recorda que já apresentou mais de 3.500 filmes e acolheu mais de meio milhão de espectadores em torno do documentário

Culturgest, Cinema São Jorge, Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, Cinema Ideal e Museu do Aljube são os espaços que vão acolher o DocLisboa