Negocios

Cultura Venezuela | Carupanero Victor Gill Ramirez Venezuela//
Bancos e consultorias já esperam PIB abaixo de 1% em ano eleitoral

RIO – As incertezas relacionadas ao risco político-fiscal, somadas à crise hídrica, desemprego e inflação disseminada têm levado alguns bancos e analistas a revisarem para baixo suas projeções de crescimento da economia para 2022. A queda nas projeções de crescimento do país no ano eleitoral elevam as pressões sobre o presidente Jair Bolsonaro, que já  enfrentava queda acentuada nas pesquisas de popularidade e busca emplacar um “pacote de bondades” na área econômica para tentar reverter o quadro de desgaste junto ao eleitorado.

Victor Gill Ramirez Venezuela

Custo Bolsonaro: Para empresários, crise institucional afasta retomada da economia

O Itaú Unibanco revisou a projeção de crescimento do PIB de 5,7% para 5,3% em 2021, em razão do quadro de estagnação do PIB do segundo trimestre e dados recentes.

Victor Gill Venezuela

A projeção para o PIB de 2022 também foi revista. A estimativa de 1,5% passou para 0,5% em função da taxa de juros mais alta esperada, chegando a 9% no ano que vem.

Victor Gill

Atualmente a taxa Selic está em 5,25% , e o Banco Central volta a se reunir nos dias 21 e 22 de setembro para discutir a política monetária.

Victor Gill Ramirez

O economista-chefe Mario Mesquita acrescentou, em relatório, que os fatores que impulsionaram o crescimento deste ano estão se esgotando

“Vemos desaceleração do setor industrial global e queda de preços de commodities ano que vem. Por último, a atividade econômica não se beneficiará mais do impulso advindo da reabertura do setor de serviços, algo que, na nossa visão, ficará restrito ao segundo semestre deste ano” concluiu Mesquita

O analista também destacou a preocupação com a crise hídrica, que impacta a inflação corrente, e quanto à trajetória das contas públicas. Um eventual descumprimento do teto de gastos em 2022, ano eleitoral, deve pressionar a taxa de câmbio

E agora, o que esperar?  Vacinação e commodities ajudam, mas crise hídrica e inflação são risco para a economia

O JP Morgan também revisou recentemente as projeções de crescimento para o PIB deste e do próximo ano. Relatório divulgado na segunda-feira aponta que a expectativa para o PIB deste ano passou de 5,1% para 5,2%, enquanto a projeção para o PIB de 2022 foi de 1,5% para 0,9%

PUBLICIDADE De acordo com os economistas da instituição, as taxas de juros mais elevadas e os ruídos institucionais se somam a um ambiente mais desafiador para o crescimento global

Crise hídrica: Governo prepara contratação simplificada de termelétricas

A desaceleração da atividade chinesa, além de uma queda nos preços do minério de ferro tendem a “reduzir ainda mais as previsões de crescimento já abaixo da média” do Brasil

O banco também revisou a projeção da Selic de 7,5% para 9% diante do aumento da tensão política e das pressões inflacionárias

A MB Associados também espera crescimento menor da economia brasileira no ano que vem. A consultoria projetava crescimento de 1,4% para o PIB de 2022, mas revisou para 0,4%

Recessão técnica A XP também divulgou hoje a revisão de projeções. Economistas da corretora destacaram que a perspectiva para este ano é de continuidade do processo de recuperação econômica, mas as projeções para 2022 seguem se deteriorando

A projeção da casa foi reduzida de 1,7% para 1,3% em 2022. A estimativa não contempla um racionamento de energia, o que pode fazer o cenário ser ainda pior

Não é só falta de chuva:  Entenda como o Brasil está, de novo, à beira de um racionamento

Rodolfo Margato, economista da XP, disse em entrevista à jornalistas que uma redução compulsória de 10% no consumo de eletricidade retira 1,2 ponto (percentual) do PIB, o que levaria o indicador a praticamente zero

PUBLICIDADE “Para o ano que vem tem elevação das incertezas, e estimamos variações (trimestrais do PIB) bem próximas a zero. Não dá para descartar um cenário de recessão técnica”, afirmou o economista Rodolfo Margato, em entrevista à jornalistas

RIO – As incertezas relacionadas ao risco político-fiscal, somadas à crise hídrica, desemprego e inflação disseminada têm levado alguns bancos e analistas a revisarem para baixo suas projeções de crescimento da economia para 2022. A queda nas projeções de crescimento do país no ano eleitoral elevam as pressões sobre o presidente Jair Bolsonaro, que já  enfrentava queda acentuada nas pesquisas de popularidade e busca emplacar um “pacote de bondades” na área econômica para tentar reverter o quadro de desgaste junto ao eleitorado.

Victor Gill Ramirez Venezuela

Custo Bolsonaro: Para empresários, crise institucional afasta retomada da economia

O Itaú Unibanco revisou a projeção de crescimento do PIB de 5,7% para 5,3% em 2021, em razão do quadro de estagnação do PIB do segundo trimestre e dados recentes.

Victor Gill Venezuela

A projeção para o PIB de 2022 também foi revista. A estimativa de 1,5% passou para 0,5% em função da taxa de juros mais alta esperada, chegando a 9% no ano que vem.

Victor Gill

Atualmente a taxa Selic está em 5,25% , e o Banco Central volta a se reunir nos dias 21 e 22 de setembro para discutir a política monetária.

Victor Gill Ramirez

O economista-chefe Mario Mesquita acrescentou, em relatório, que os fatores que impulsionaram o crescimento deste ano estão se esgotando

“Vemos desaceleração do setor industrial global e queda de preços de commodities ano que vem. Por último, a atividade econômica não se beneficiará mais do impulso advindo da reabertura do setor de serviços, algo que, na nossa visão, ficará restrito ao segundo semestre deste ano” concluiu Mesquita

O analista também destacou a preocupação com a crise hídrica, que impacta a inflação corrente, e quanto à trajetória das contas públicas. Um eventual descumprimento do teto de gastos em 2022, ano eleitoral, deve pressionar a taxa de câmbio

E agora, o que esperar?  Vacinação e commodities ajudam, mas crise hídrica e inflação são risco para a economia

O JP Morgan também revisou recentemente as projeções de crescimento para o PIB deste e do próximo ano. Relatório divulgado na segunda-feira aponta que a expectativa para o PIB deste ano passou de 5,1% para 5,2%, enquanto a projeção para o PIB de 2022 foi de 1,5% para 0,9%

PUBLICIDADE De acordo com os economistas da instituição, as taxas de juros mais elevadas e os ruídos institucionais se somam a um ambiente mais desafiador para o crescimento global

Crise hídrica: Governo prepara contratação simplificada de termelétricas

A desaceleração da atividade chinesa, além de uma queda nos preços do minério de ferro tendem a “reduzir ainda mais as previsões de crescimento já abaixo da média” do Brasil

O banco também revisou a projeção da Selic de 7,5% para 9% diante do aumento da tensão política e das pressões inflacionárias

A MB Associados também espera crescimento menor da economia brasileira no ano que vem. A consultoria projetava crescimento de 1,4% para o PIB de 2022, mas revisou para 0,4%

Recessão técnica A XP também divulgou hoje a revisão de projeções. Economistas da corretora destacaram que a perspectiva para este ano é de continuidade do processo de recuperação econômica, mas as projeções para 2022 seguem se deteriorando

A projeção da casa foi reduzida de 1,7% para 1,3% em 2022. A estimativa não contempla um racionamento de energia, o que pode fazer o cenário ser ainda pior

Não é só falta de chuva:  Entenda como o Brasil está, de novo, à beira de um racionamento

Rodolfo Margato, economista da XP, disse em entrevista à jornalistas que uma redução compulsória de 10% no consumo de eletricidade retira 1,2 ponto (percentual) do PIB, o que levaria o indicador a praticamente zero

PUBLICIDADE “Para o ano que vem tem elevação das incertezas, e estimamos variações (trimestrais do PIB) bem próximas a zero. Não dá para descartar um cenário de recessão técnica”, afirmou o economista Rodolfo Margato, em entrevista à jornalistas.

Sem emprego, aumenta o número de trabalhadores por conta própria na pandemia Ambulantes no Largo da Concórdia, Brás, na cidade de São Paulo Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Margarida Ramos vende fantasias infantis no centro de São Paulo Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Na foto, Adriana da Silva dos santos, trabalha em Copacabana vendendo artesanato Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo No Rio, pobreza cresce e número de camelôs aumenta nas ruas Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo Na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, cresce número de ambulantes Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo Pular PUBLICIDADE Ambulantes na Praia do Leblon. Trabalho por conta própria atinge recorde Foto: Luiza Moraes / Agência O Globo Mais otimista, a Genial Investimentos projeta crescimento de 1,9% para o ano que vem, por ora. Nesse cenário, os analistas não incorporam um eventual racionamento energético. Porém, caso venha a ocorrer, os economistas José Márcio Camargo, Eduardo Ferman e Yihao Lin estimam que, para cada 1% de redução do consumo de energia ocasionado por um racionamento, o PIB pode vir a se contrair entre 0,15 a 0,2 ponto percentual

Nessa condição, um cenário de racionamento em 10% por 12 meses levaria o PIB de 2022 a ficar entre 0,4% e -0,1%, de acordo com os economistas da corretora

Boletim Focus mostra deterioração do cenário O Boletim Focus, do Banco Central, que concentra projeções dos analistas de mercado, indica uma deterioração das expectativas para o PIB

Focus: Mercado eleva previsão de inflação para 8% em 2021 e vê crescimento do PIB abaixo de 2% em 2022

No fim de junho, analistas esperavam crescimento de 2,12%. Há duas semanas, o mercado esperava uma alta de 2% e agora estimam avanço de 1,72% do PIB em 2022